Investigação

Doenças cardíacas na população feminina entre as menos testadas a nível mundial

O Índice Mundial da Saúde das Mulheres, desenvolvido pela Hologic, indica que, ao nível dos cuidados preventivos, mais de 1,5 mil milhões de mulheres em todo o mundo não foram testadas para nenhuma das doenças que mais as afetam, como as cardíacas, cancro, diabetes ou as infeções sexualmente transmissíveis. Apenas 12% das mulheres no mundo foram testadas para qualquer tipo de cancro em 2021. Esta é uma das conclusões de um dos estudos do mundo sobre a saúde e o bem-estar das mulheres.

Dificuldades em encontrar comida e abrigo suficientes, falta de oportunidades educacionais e ameaças à segurança das mulheres são algumas das barreiras aos cuidados preventivos identificadas. Estes fatores contribuem ainda para aumentar as lacunas no bem-estar das mulheres entre países desenvolvidos e em desenvolvimento, áreas urbanas e rurais, bem como, pessoas mais e menos instruídas.

Todos os 122 países e territórios analisados pelo Índice têm oportunidades significativas para melhorar a saúde das mulheres. A pontuação global média foi de apenas 53, numa escala até 100, a pontuação mais alta foi de 70, para Taiwan, e a pontuação mais baixa foi de 22, para o Afeganistão.

Portugal encontra-se na 39.ª posição do ranking, com uma pontuação global de 58 pontos, uma queda face ao ano anterior. Ao nível dos cuidados preventivos, e apesar de se encontrar no top 5 dos países com uma pontuação mais elevada, o país apresenta uma queda de cinco pontos em 2021, quando comparado a 2020. É nos cuidados de saúde individual que Portugal manifesta um pior desempenho, encontrando-se entre os países com maior declínio nesta dimensão, o que significa que as mulheres estão a experienciar mais problemas de saúde ou dores no seu dia a dia.

“A falta de progresso e, em alguns casos, o retrocesso justificam um alerta mais urgente para que os líderes mundiais façam mais pelas mulheres, cujo bem-estar sustenta a saúde das famílias, comunidades, sociedades e economias”, diz Steve MacMillan, chairman, presidente e CEO da Hologic. “Dados credíveis podem desencadear mudanças genuínas, e esperamos envolver os líderes de todo o mundo no sentido de recorrerem ao Índice para defender o bem-estar das mulheres”.

A Hologic juntou-se à Gallup para criar o Índice Mundial da Saúde das Mulheres. Para esta segunda edição do relatório anual, aproximadamente 127 mil pessoas em todo o mundo – incluindo 66 mil mulheres e jovens com idade igual ou superior a 15 anos – foram inquiridas durante 2021, em mais de 140 idiomas. Este alcance significa que o Índice representa 94% da população feminina mundial.

O Índice oferece uma estratégia para alcançar o progresso mundial para elevar o bem-estar das mulheres. São analisadas cinco dimensões relacionadas com a saúde das mulheres: Cuidados Preventivos, Necessidades Básicas, Perceções de Saúde e de Segurança, Saúde Individual e Saúde Emocional. Em conjunto, estas dimensões contribuem em 80% para a esperança média de vida das mulheres de todo o mundo. Podem ser vistas como forma de orientação para os líderes se concentrarem na deteção precoce e no tratamento de doenças, criando uma rede de segurança mais forte para a satisfação das necessidades básicas da vida, como a alimentação e o abrigo, mantendo as mulheres seguras e investindo mais em recursos que aumentem a igualdade socioeconómica.

As lacunas nestes aspetos básicos trazem desafios que impedem as mulheres de priorizar o seu estado de saúde. Cerca de 85% das mulheres entrevistadas para o Índice acreditam na importância de visitar regularmente um profissional de saúde, mas menos de 60% consultaram um durante o último ano.

“Enquanto médica que trabalha, há décadas, com doentes de diferentes partes do mundo, vi, em primeira mão, como a deteção precoce de doenças faz uma diferença crítica na expetativa e na qualidade de vida das mulheres. Mas quando as mulheres têm de escolher entre obter cuidados de saúde para si mesmas e encontrar a próxima refeição para as suas famílias, provavelmente não irão priorizar a sua saúde”, afirma Susan Harvey, vice-presidente de Assuntos de Saúde Mundiais da Hologic. “É crucial que os decisores políticos vejam os cuidados preventivos enquanto parte de um conjunto de fatores multidimensionais e interdependentes que devem ser abordados de forma holística”.

Para saber mais sobre o Índice Mundial da Saúde das Mulheres, carregue aqui.

Patrocínio

Os dados, opiniões e conclusões expressos nesta publicação são da exclusiva responsabilidade do(s) seu(s) autores e não representam necessariamente os de Bial, não podendo, em caso algum, ser tomado como expressão das posições de Bial. Bial não se responsabiliza pela atualidade da informação, por quaisquer erros, omissões ou imprecisões.