Atualidade

Filhos de mulheres com hipertensão durante a gravidez têm um risco aumentado de AVC na idade adulta

Um estudo, que incluiu 5,8 milhões de crianças avaliadas ao longo de quatro décadas, mostrou que, na idade adulta, a incidência de acidente vascular cerebral (AVC) era maior nos indivíduos cujas mães tinham tido hipertensão arterial (HTA) ou pré-eclâmpsia na gravidez. Os resultados deste trabalho foram apresentados na ESC Heart & Stroke 2021, uma conferência online, que decorreu entre os dias 2 e 4 de junho, promovida pela European Society of Cardiology (ESC).

“O estudo indica que os filhos de mulheres com hipertensão durante a gravidez têm um risco aumentado de AVC e, potencialmente, de doença coronária após os 41 anos de idade”, afirmou a autora do estudo, a Dr.ª Fen Yang, estudante de Doutoramento no Karolinska Institutet, em Estocolmo, na Suécia. “É necessário conduzir estudos com um período de seguimento mais alargado, com o objetivo de confirmar estes resultados e de melhorar o entendimento em relação a possíveis mecanismos que estão subjacentes a estes achados.”

Estudos prévios sugeriam que as crianças nascidas de mães com hipertensão durante a gestação tinham um risco aumentado de nascimento prematuro, restrição do crescimento fetal e fatores de risco cardiovascular, nomeadamente pressão arterial elevada, obesidade e diabetes numa fase mais tardia da vida. Este estudo, que procurou avaliar a relação entre a HTA materna e o risco aumentado de AVC e doença coronária isquémica na idade adulta dos filhos, baseou-se em registos de base populacional de dois países: Suécia (1973-2014) e Finlândia (1987-2014). Os distúrbios hipertensivos incluíam pressão arterial elevada (com início antes ou durante a gravidez) e pré-eclâmpsia.

Dos 5,8 milhões de crianças avaliadas neste estudo, mais de 218 mil (3,76%) eram filhos/as de mães que tiveram distúrbios hipertensivos durante a gravidez. Após mais de 40 anos de follow-up, 2340 (0,04%) destes descendentes tinham sido diagnosticados com doença coronária isquémica e 5360 (0,09%) com AVC. Os investigadores concluíram que a exposição fetal à hipertensão na gravidez está associada a um risco 29% e 33% superior de doença coronária isquémica e de AVC, respetivamente. “Na eventualidade de estudos posteriores validarem estes achados, podemos começar a prevenção das doenças cardiovasculares nestas crianças nascidas de mães com HTA”, acrescentou a Dr.ª Fen Yang.

Patrocínio

Os dados, opiniões e conclusões expressos nesta publicação são da exclusiva responsabilidade do(s) seu(s) autores e não representam necessariamente os de Bial, não podendo, em caso algum, ser tomado como expressão das posições de Bial. Bial não se responsabiliza pela atualidade da informação, por quaisquer erros, omissões ou imprecisões.