Atualidade

Filhos de mulheres com hipertensão durante a gravidez têm um risco aumentado de AVC na idade adulta

Um estudo, que incluiu 5,8 milhões de crianças avaliadas ao longo de quatro décadas, mostrou que, na idade adulta, a incidência de acidente vascular cerebral (AVC) era maior nos indivíduos cujas mães tinham tido hipertensão arterial (HTA) ou pré-eclâmpsia na gravidez. Os resultados deste trabalho foram apresentados na ESC Heart & Stroke 2021, uma conferência online, que decorreu entre os dias 2 e 4 de junho, promovida pela European Society of Cardiology (ESC).

“O estudo indica que os filhos de mulheres com hipertensão durante a gravidez têm um risco aumentado de AVC e, potencialmente, de doença coronária após os 41 anos de idade”, afirmou a autora do estudo, a Dr.ª Fen Yang, estudante de Doutoramento no Karolinska Institutet, em Estocolmo, na Suécia. “É necessário conduzir estudos com um período de seguimento mais alargado, com o objetivo de confirmar estes resultados e de melhorar o entendimento em relação a possíveis mecanismos que estão subjacentes a estes achados.”

Estudos prévios sugeriam que as crianças nascidas de mães com hipertensão durante a gestação tinham um risco aumentado de nascimento prematuro, restrição do crescimento fetal e fatores de risco cardiovascular, nomeadamente pressão arterial elevada, obesidade e diabetes numa fase mais tardia da vida. Este estudo, que procurou avaliar a relação entre a HTA materna e o risco aumentado de AVC e doença coronária isquémica na idade adulta dos filhos, baseou-se em registos de base populacional de dois países: Suécia (1973-2014) e Finlândia (1987-2014). Os distúrbios hipertensivos incluíam pressão arterial elevada (com início antes ou durante a gravidez) e pré-eclâmpsia.

Dos 5,8 milhões de crianças avaliadas neste estudo, mais de 218 mil (3,76%) eram filhos/as de mães que tiveram distúrbios hipertensivos durante a gravidez. Após mais de 40 anos de follow-up, 2340 (0,04%) destes descendentes tinham sido diagnosticados com doença coronária isquémica e 5360 (0,09%) com AVC. Os investigadores concluíram que a exposição fetal à hipertensão na gravidez está associada a um risco 29% e 33% superior de doença coronária isquémica e de AVC, respetivamente. “Na eventualidade de estudos posteriores validarem estes achados, podemos começar a prevenção das doenças cardiovasculares nestas crianças nascidas de mães com HTA”, acrescentou a Dr.ª Fen Yang.