Atualidade

Investigação portuguesa alerta para fragilidade em doentes com insuficiência cardíaca

Um grupo de investigadores do Porto identificou uma elevada prevalência de pré-fragilidade e de fragilidade nos doentes com insuficiência cardíaca, inclusivamente nos mais novos.

Realizado no CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde e na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, um estudo concluiu que 57,4% das pessoas que sofre de insuficiência cardíaca apresenta pré-fragilidade e 15,4% já têm fragilidade. Este tópico tem como critério mais comum associado a exaustão (90%), seguido da baixa atividade física (81%).

O investigador do CINTESIS e primeiro autor do estudo, Rui Valdiviesso, chama a atenção para as idades precoces concretizando que 8,1% dos doentes com insuficiência cardíaca e fragilidade – “uma condição classicamente geriátrica” – tem menos de 65 anos.

A fragilidade caracteriza-se pela existência de três ou mais dos seguintes critérios: fraqueza muscular, lentidão, perda de peso não intencional, diminuição da atividade física e exaustão. A pré-fragilidade existe na presença de um ou dois dos referidos critérios.

Ao analisarem os fatores associados à fragilidade nestes doentes, os investigadores concluíram que “a massa muscular é o preditor mais importante de evolução para este fenótipo”.

A equipa entende, por isso, que a massa muscular deve ser tida em conta quando são delineados planos de intervenção, no sentido de monitorizar os doentes, inclusivamente os mais novos, e, eventualmente, de reverter a fragilidade.

Ao todo, o estudo incluiu 136 participantes seguidos num hospital universitário português, com idades entre os 24 e os 81 anos (59 anos em média), com as mulheres a representar 33,8%.

A coautoria deste trabalho, já publicado na revista científica Nutrition, Metabolism & Cardiovascular Diseases, envolve, além de Rui Valdiviesso, Luís Azevedo, Emília Moreira, Rosário Ataíde, Sónia Martins, Lia Fernandes e José Silva Cardoso, investigadores do CINTESIS e da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, com a orientação de Nuno Borges, do CINTESIS/Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto (FCNAUP).

Patrocínio

Os dados, opiniões e conclusões expressos nesta publicação são da exclusiva responsabilidade do(s) seu(s) autores e não representam necessariamente os de Bial, não podendo, em caso algum, ser tomado como expressão das posições de Bial. Bial não se responsabiliza pela atualidade da informação, por quaisquer erros, omissões ou imprecisões.