Opinião

O exercício na insuficiência cardíaca

Sofia Santos, fisioterapeuta da Unidade de Reabilitação Cardíaca do Hospital de Santa Cruz – Centro Hospitalar Lisboa Ocidental (CHLO), aborda a importância do exercício físico, durante o tratamento da insuficiência cardíaca.

“Menos cansaço no dia-a-dia”, “fortalecer os músculos e o coração” e “melhorar a função respiratória”, são algumas expectativas de doentes com insuficiência cardíaca, ao iniciar o Programa de Reabilitação Cardíaca.

De acordo com as guidelines da “European Society of Cardiology” a reabilitação cardíaca é recomendada com o maior nível de evidência científica para o tratamento da insuficiência cardíaca, o que justifica um aumento das necessidades de referenciação, em prol da melhoria da condição clínica do doente.

Ao longo das 3 fases da reabilitação cardíaca (I- Hospitalar, II- Ambulatória, III- Comunidade) o exercício é incorporado, respeitando a condição clínica de cada utente e recolhendo de forma evolutiva dados de avaliação, essenciais para a caracterização da gravidade da insuficiência cardíaca e para o estabelecimento da dose de exercício recomendada. Desta avaliação, destaca-se a Prova de Esforço Cardiorrespiratória (PECR VO2) para aferir os limiares, que permitem precisar o intervalo da frequência cardíaca de treino e permitir a segurança durante o exercício.

Após avaliação médica, ajuste da medicação correta e estabilização do sistema cardiovascular o doente fica apto para a prática segura de exercício físico, inicialmente com supervisão do fisioterapeuta.

A limitação funcional dos doentes com insuficiência cardíaca, tem origem na deficiente capacidade de o coração aumentar o seu output para os músculos durante o exercício e consequentemente, na capacidade de estes utilizarem o oxigénio de forma adequada. Este fator, associado a atrofia muscular geralmente apresentada conduz à diminuição da tolerância ao esforço, a um maior dispêndio de energia ao cansaço, descoordenação respiratória/dispneia e fadiga.

A prescrição de exercício de acordo com o FITT (frequência, intensidade, tempo, duração e tipo de exercício) possibilita a melhoria da resistência nas atividades do dia a dia através do treino aeróbio e o aumento da força muscular através do treino de força. Ambas as componentes são essenciais, para promoverem a melhoria dos sintomas nas atividades físicas e no exercício físico estruturado. Existem inúmeros protocolos de treino, mas o mais importante é adaptar o exercício a cada doente e progredir conforme a sua tolerância. Ao mesmo tempo, a coordenação, o equilíbrio e a flexibilidade são componentes integrantes do exercício e permitem aumentar a sobrevida.

É fundamental que as expectativas e os objetivos dos utentes com insuficiência cardíaca sejam avaliados, por forma a encontrar a melhor estratégia de alcançá-los. Só assim, poderão ter uma melhor funcionalidade e consequentemente, uma melhor qualidade de vida.

Ao conseguirem ser autónomos e gerir níveis adequados de atividade física e de prática de exercício, é fundamental encontrarem uma rotina aprazível, que assegure a manutenção dos benefícios ganhos e a efetividade das aprendizagens rumo a um estilo de vida saudável.

Patrocínio

Os dados, opiniões e conclusões expressos nesta publicação são da exclusiva responsabilidade do(s) seu(s) autores e não representam necessariamente os de Bial, não podendo, em caso algum, ser tomado como expressão das posições de Bial. Bial não se responsabiliza pela atualidade da informação, por quaisquer erros, omissões ou imprecisões.