Atualidade

Portugueses desconhecem que alterações climáticas afetam doentes cardiovasculares

Dois em cada três portugueses desconhecem efeitos negativos das alterações climáticas na doença cardiovascular. Nesse sentido, a Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC) promoveu um estudo, em parceria com a GfK, sobre o impacto potencial das alterações climáticas e as doenças do coração.

O estudo alerta que “apenas 33 % dos portugueses revelaram ter plena noção de que as alterações climáticas têm efeitos nefastos para a saúde cardíaca”, embora os inquiridos admitam que possa ter impacto na saúde da pele (66 %) e que se possa traduzir em problemas psicológicos (50%).

 Verifica-se também que cerca de “10% dos inquiridos considera que as alterações climáticas não têm qualquer impacto na saúde cardiovascular, tendo-se registado a mesma percentagem (10%) para os que consideram que os fenómenos atmosféricos são uma invenção da comunidade científica”.

No entanto, de acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde e a Organização Mundial da Saúde (OMS), quando exposto a extremos climáticos como calor ou frio, o corpo humano ativa mecanismos fisiológicos compensatórios para se proteger dos efeitos dessa exposição, e esses mecanismos podem afetar o sistema cardiovascular.

 O estudo da GFK revelou que, apesar de “80% dos portugueses saberem que as alterações climáticas são um fenómeno causado pela concentração excessiva de gases de efeito de estufa e a maioria (92%) considerar que, nos próximos anos, os efeitos das alterações climáticas vão aumentar, os dados revelam que não interligam este fenómeno com efeitos prejudiciais para a saúde (potenciador de vários tipos de doença, sobretudo do foro cardiovascular”. Ficou ainda patente que “apenas 35% admitiu que as alterações climáticas podem aumentar os casos de taquicardia, infarto do miocárdio e hipertensão arterial (31%) e insuficiência cardíaca (27%)”.

A FPC sublinha ainda que é preciso um esforço conjunto por parte dos profissionais de saúde e da população em geral para saber como atuar mediante a situação climática atual. 

 

Patrocínio

Os dados, opiniões e conclusões expressos nesta publicação são da exclusiva responsabilidade do(s) seu(s) autores e não representam necessariamente os de Bial, não podendo, em caso algum, ser tomado como expressão das posições de Bial. Bial não se responsabiliza pela atualidade da informação, por quaisquer erros, omissões ou imprecisões.