Atualidade

Pressão laboral poderá estar na base do aumento de fatores de risco cardiovascular não tradicionais nas mulheres em comparação com os homens

O stress laboral, as perturbações do sono e a fadiga, considerados como fatores de risco não tradicionais de ataque cardíaco e AVC, estão a aumentar mais acentuadamente entre as mulheres do que entre os homens, segundo um novo estudo apresentado hoje na Conferência da Organização Europeia do AVC (ESO).

Os investigadores compararam dados de 22.000 homens e mulheres no Swiss Health Survey de 2007, 2012, e 2017, e encontraram um aumento “alarmante” no número de mulheres que relataram os fatores de risco não tradicionais para as doenças cardiovasculares. A tendência coincidiu com um aumento do número de mulheres que trabalham a tempo inteiro de 38% em 2007 para 44% em 2017.

Globalmente, em ambos os sexos, o número de mulheres que relatam stress no trabalho aumentou de 59% em 2012 para 66% em 2017, e as que relatam cansaço e fadiga aumentaram de 23% para 29% (para 33% nas mulheres e 26% nos homens). Durante o mesmo período, o número de pessoas que relataram perturbações do sono subiu de 24% para 29%, com as perturbações graves do sono também a aumentar mais acentuadamente nas mulheres (8%) do que nos homens (5%).

Contudo, a investigação também descobriu que os fatores de risco tradicionais para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares permaneceram estáveis no mesmo período de tempo, com 27% a sofrer de hipertensão, 18% com colesterol elevado e 5% com diabetes. A obesidade aumentou para 11% e o tabagismo diminuiu de aproximadamente 10,5 para 9,5 cigarros por dia, mas ambos eram mais prevalecentes nos homens.

Segundo os autores do estudo, o Dr. Martin Hänsel, Neurologista do Hospital Universitário de Zurique e a Dra Susanne Wegener, Professora de Neurologia na Universidade de Zurique, “o estudo descobriu que os homens eram mais propensos a fumar e a ser obesos do que as mulheres, mas as mulheres relataram um maior aumento dos fatores de risco não tradicionais de ataques cardíacos e AVC, tais como stress no trabalho, distúrbios do sono, e sensação de cansaço e fadiga. Este aumento coincide com o número de mulheres que trabalham a tempo inteiro. A acumulação entre as responsabilidades laborais trabalho e domésticas ou outros aspetos socioculturais podem ser um fator, bem como exigências específicas de saúde das mulheres que podem não ser tidas em conta na vida quotidiana”

“Verificámos um aumento global de fatores de risco não tradicionais em ambos os sexos, mas estes foram mais pronunciados nas participantes do sexo feminino, enquanto a maioria dos fatores de risco cardiovascular tradicionais permaneceram estáveis. Estes resultados alertaram para uma vasta gama de fatores de risco de doenças cardiovasculares que vão além dos fatores médicos oficialmente reconhecidos como diabetes, hipertensão arterial, colesterol elevado, tabagismo, obesidade e inatividade física e ajudarão a informar melhor as estratégias de prevenção de ataques cardíacos e AVC e sublinham o facto de existirem diferenças de sexo para estes fatores de risco não tradicionais de DCV (doença cardiovascular) com uma tendência alarmante para um aumento particular nas mulheres”.

 

Patrocínio

Os dados, opiniões e conclusões expressos nesta publicação são da exclusiva responsabilidade do(s) seu(s) autores e não representam necessariamente os de Bial, não podendo, em caso algum, ser tomado como expressão das posições de Bial. Bial não se responsabiliza pela atualidade da informação, por quaisquer erros, omissões ou imprecisões.