Opinião

Sono, obesidade e risco cardiovascular e a alimentação

A nutricionista do Centro Hospitalar e Universitário de São João, Elsa Madureira, aborda a relação entre sono, risco cardiovascular e obesidade. Destaca, ainda, a importância da alimentação saudável para combater estas patologias.

“O sono contribui para a saúde em geral e recomenda-se que um adulto durma entre 7 a 9 horas. Hoje em dia, a quantidade e a qualidade do sono estão frequentemente comprometidas pela exposição à luz e aparelhos eletrónicos, tabaco, cafeína, entre outros hábitos desreguladores. Se a correção destes fatores não levar a um aumento da qualidade do sono, estamos perante um distúrbio do sono. Foram definidas seis categorias, como por exemplo insónia, os relacionados com a respiração ou com o ciclo circadiano, etc.

Está já perfeitamente estabelecida a relação entre a curta duração ou a pior qualidade do sono e o risco aumentado de obesidade, resistência à insulina, diabetes tipo 2 e a síndrome metabólica. Estes distúrbios do sono são, por isso, considerados novos fatores de risco cardiovascular. Poderemos dizer que existe uma relação bidirecional entre a dieta e o sono, atuando concertadamente no aumento do risco de doenças cardiovasculares.

Por um lado, sabe-se que a restrição do sono (menor tempo, menor qualidade, turnos, entre outros) levam ao aumento da fome, do apetite e da ingestão alimentar durante o tempo de vigília. Há, geralmente, um aumento do consumo de alimentos mais energéticos, ricos em gordura e açúcares, e mesmo de bebidas alcoólicas. Este comportamento relaciona-se com alterações das hormonas leptina e grelina, reguladoras do apetite.

O aumento da ingestão energética conduz à obesidade. E esta, em particular a adiposidade visceral, contribui para o desenvolvimento dos distúrbios do sono, nomeadamente a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono, que levam ao exacerbamento das alterações metabólicas glicídica e lipídica, amplificando o processo inflamatório que conduz à aterosclerose, que caracterizam a síndrome metabólica. Os mecanismos aterogénicos parecem ser a explicação para a elevada ocorrência de eventos cardiovasculares nos doentes com distúrbios do sono.

Por outro lado, o padrão alimentar tem influência na qualidade do sono. Dietas consideradas mais saudáveis, como a Mediterrânica ou outras dietas baseadas em plantas, parecem contribuir para a melhoria da qualidade do sono, em oposição a dietas mais ocidentalizadas, ricas em gorduras e açúcares refinados.

A adoção de uma alimentação saudável, ou seja, com uma ingestão elevada de vegetais e frutas, cereais pouco refinados, com gordura monoinsaturada e moderada em carne/peixe tem um papel fundamental, quer na regulação do sono, quer no controlo do peso e, consequentemente, na diminuição do risco das doenças cardiovasculares.”

Patrocínio

Os dados, opiniões e conclusões expressos nesta publicação são da exclusiva responsabilidade do(s) seu(s) autores e não representam necessariamente os de Bial, não podendo, em caso algum, ser tomado como expressão das posições de Bial. Bial não se responsabiliza pela atualidade da informação, por quaisquer erros, omissões ou imprecisões.