João Brum da Silveira: Proteja o seu coração. Deixe de fumar

O médico e presidente da Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC), João Brum da Silveira, antecipa o Dia Nacional do Não Fumador, que se assinala a 17 de novembro, relembrando que o  tabaco é um dos fatores de risco para o enfarte agudo do miocárdio (EAM) e outras doenças cardíacas.

O tabagismo causa um grande prejuízo à saúde pública, uma vez que é responsável pela diminuição da qualidade e duração de vida da população que fuma. Além disso, tem ainda a agravante de ser um fator de risco não apenas para o fumador, mas para todos aqueles que se encontram frequentemente expostos ao fumo passivo.

Assim sendo, deixar de fumar é uma medida preventiva eficaz para diminuir os riscos de EAM e de muitas outras patologias causadoras de morbilidade e mortalidade.

O EAM – vulgarmente apelidado de ataque cardíaco – resulta da obstrução de uma das artérias do coração, que faz com que uma parte do músculo cardíaco fique em sofrimento por falta de oxigénio e nutrientes. Esta obstrução é habitualmente causada pela formação de um coágulo devido à rutura de uma placa de colesterol.

Os sintomas mais comuns, para os quais as pessoas devem estar despertas, são a dor no peito, por vezes com irradiação ao braço esquerdo, costas e pescoço, acompanhada de suores, náuseas, vómitos, falta de ar e ansiedade. Normalmente, os sintomas duram mais de 20 minutos, mas também podem ser intermitentes. Podem ocorrer de forma repentina ou gradualmente, ao longo de vários minutos.

Na presença destes sintomas é importante ligar imediatamente para o número de emergência médica (112) e esperar pela ambulância que estará equipada com aparelhos que registam e monitorizam a atividade do coração e permitem diagnosticar o enfarte. Não deve tentar chegar a um hospital pelos seus próprios meios porque este poderá ser um centro sem capacidade para realizar o tratamento mais adequado. Esta situação não acontece quando se liga para o 112 porque a equipa de emergência confirma a suspeita de um enfarte e ativa a via verde coronária que permite encaminhar os doentes para hospitais com laboratórios de hemodinâmica.

Não se esqueça, no EAM cada segundo conta. É importante a precocidade no diagnóstico (valorização dos sintomas), o que implica um tratamento mais rápido com redução significativa da quantidade de músculo cardíaco “perdido”, o que leva a que os doentes tenham um melhor prognóstico, isto é, que voltem a ter uma vida “normal”.

APIC alerta para a importância de manter intervenções cardíacas durante pandemia de Covid-19

A Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC) alerta a população para importância de as pessoas com estenose aórtica grave não adiarem a sua intervenção estrutural aórtica, durante a pandemia de Covid-19, uma vez que correm o risco de poder desenvolver estados clínicos graves, com consequências para a sua saúde.

“Devido à idade e ao historial médico, as pessoas com doenças cardíacas estruturais, tais como estenose aórtica grave, e com um histórico de acidentes cerebrovasculares, são uma população de alto risco. Os laboratórios de hemodinâmica são seguros e livres de COVID, pelo que não é preciso haver receios nesse sentido. É necessário retomar e manter as intervenções, para que seja possível prevenir que os doentes venham a desenvolver estados clínicos complicados e irreversíveis”, explica Lino Patrício, coordenador da campanha “Corações de Amanhã”.

De acordo com os resultados de um estudo recente – conduzido pelo Structural Heart Program do Hospital Mount Sinai, em Nova Iorque, e publicado a 30 de setembro de 2020 – é necessário manter a vigilância dos doentes com estenose aórtica grave, bem como daqueles que estão à espera de uma intervenção estrutural aórtica, durante a pandemia.

Neste estudo foram acompanhados doentes com estenose aórtica grave, submetidos a uma avaliação para substituição da válvula aórtica transcateter, desde março até junho de 2020.

Em março e abril de 2020, 10 por cento dos doentes tiveram problemas cardíacos, seis dos quais foram submetidos a intervenções estruturais aórticas com urgência, devido a sintomas acelerados de dispneia, angina em repouso, insuficiência cardíaca, ou síncope; e dois morreram de estenose aórtica grave.

De 6 a 23 de junho de 2020, 35 por cento dos doentes tiveram um ataque cardíaco, tendo sido necessário recorrer a intervenção estrutural aórtica. Durante este período, os que não foram submetidos a nenhuma intervenção médica, tiveram uma maior probabilidade de ter um ataque cardíaco.

Nos três meses anteriores a março de 2020, nenhum doente morreu de estenose aórtica, enquanto aguardava a realização da intervenção estrutural aórtica.

A estenose aórtica é uma doença que afeta cerca de 32 mil portugueses, maioritariamente pessoas acima dos 70 anos, limitando as suas capacidades e qualidade de vida.

O que é, quais os sintomas, como prevenir e como tratar o enfarte? A APIC explica

No âmbito do Dia Mundial do Coração, que se assinala a 29 de setembro, a Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC) vai lançar um conjunto de cinco vídeos com o objetivo de consciencializar a população para o enfarte agudo do miocárdio (EAM), disponibilizando-os às autarquias e unidades de saúde a nível nacional.

“Com estes vídeos [acessíveis no canal de YouTube da APIC] pretendemos transmitir mensagens sobre o EAM, os seus sintomas e consequências, formas de prevenção e de tratamento. O objetivo é consciencializar a população em geral para a existência do enfarte; para a importância da adoção de estilos de vida saudáveis, enquanto forma de prevenção da doença; e explicar como se processa o tratamento, que é, atualmente, rápido e eficaz”, explica o presidente da APIC, João Brum Silveira.

 

“O que é um enfarte agudo do miocárdio?”

 

Os vídeos são subordinados às temáticas “O que é um enfarte agudo do miocárdio?”, “Quais são os sintomas de enfarte?”, “Qual é o tratamento do enfarte agudo do miocárdio?”, “Como prevenir o enfarte agudo do miocárdio?” e “O que fazer depois do enfarte do miocárdio?”.

O EAM, ou ataque cardíaco, ocorre quando uma das artérias do coração fica obstruída, fazendo com que uma parte do músculo cardíaco fique em sofrimento por falta de oxigénio e nutrientes. Esta obstrução é habitualmente causada pela formação de um coágulo devido à rutura de uma placa de colesterol.

Os sintomas mais comuns são a dor no peito, por vezes com irradiação ao braço esquerdo, costas e pescoço, acompanhada de suores, náuseas, vómitos, falta de ar e ansiedade. Na presença destes sintomas é importante ligar imediatamente para o número de emergência médica (112) e esperar pela ambulância, que estará equipada com aparelhos que registam e monitorizam a atividade do coração e permitem diagnosticar o EAM.

Para evitar um enfarte é importante adotar estilos de vida saudáveis: não fumar; reduzir os níveis de colesterol; controlar a tensão arterial e a diabetes; fazer uma alimentação saudável; praticar exercício físico; vigiar o peso e evitar o stress.

 

Patrocínio

Os dados, opiniões e conclusões expressos nesta publicação são da exclusiva responsabilidade do(s) seu(s) autores e não representam necessariamente os de Bial, não podendo, em caso algum, ser tomado como expressão das posições de Bial. Bial não se responsabiliza pela atualidade da informação, por quaisquer erros, omissões ou imprecisões.