CHMT avança na implantação de cardioversor-desfibrilhador subcutâneo

O Serviço de Cardiologia do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) iniciou a implantação de cardioversores-desfibrilhadores subcutâneos. Este novo dispositivo oferece um tratamento de primeira linha para doentes com risco de paragem cardíaca. E está habilitado para a gestão remota do doente.

“Os cardioversores-desfibrilhadores convencionais transvenosos são seguros e eficazes no tratamento de taquiarritmias ventriculares que podem causar morte súbita, mas estão associados a algumas possíveis complicações, a curto e longo prazo, quer relacionadas com o procedimento quer com os elétrodos intracardíacos, como endocardites, fratura do elétrodo ou trombose do vaso sanguíneo de acesso”, esclarece o diretor do serviço de Cardiologia, lê-se no site oficial do Serviço Nacional de Saúde.

O especialista explica que o cardioversor-desfibrilhador é implantado ao nível subcutâneo (o elétrodo) e submuscular (o dispositivo), permitindo a mesma proteção, um maior conforto e uma “abordagem menos invasiva” ao doente “em risco de morte súbita”.

Segundo o especialista, “na área da Arritmologia fica completa a oferta de tratamento de taquidisritmias à população de abrangência do CHMT, o que nos motiva a desenvolver novos projetos”.

Patrocínio

Os dados, opiniões e conclusões expressos nesta publicação são da exclusiva responsabilidade do(s) seu(s) autores e não representam necessariamente os de Bial, não podendo, em caso algum, ser tomado como expressão das posições de Bial. Bial não se responsabiliza pela atualidade da informação, por quaisquer erros, omissões ou imprecisões.