CDC estuda risco de inflamação cardíaca após vacinação contra a COVID-19

Um painel de especialistas dos Centros de Controlo e Prevenção das Doenças (CDC) dos Estados Unidos da América vai avaliar os 323 casos de inflamação do músculo cardíaco (miocardite) ou da membrana que o rodeia (pericardite) em pessoas com menos de 30 anos que foram imunizadas com as vacinas da Pfizer-BioNtech ou da Moderna – isto em mais de 310 milhões de doses administradas até agora nos EUA.

De acordo com a informação divulgada por aquele organismo, há registo de inflamações no coração, ainda que raras, em adolescentes e jovens adultos que receberam os fármacos desenvolvidos pela Pfizer (em parceria com a BioNTech) e pela Moderna, duas vacinas centralizadas no método RNA (ácido ribonucleico).

“Os casos são raros e a grande maioria [das ocorrências de inflamações no coração] foi solucionada com descanso e atenção”, disse a diretora do CDC, Rochelle Walensky.

O relatório detalhado sobre os casos de miocardite e pericardite é apresentado amanhã, dia 25 de junho.

Patrocínio

Os dados, opiniões e conclusões expressos nesta publicação são da exclusiva responsabilidade do(s) seu(s) autores e não representam necessariamente os de Bial, não podendo, em caso algum, ser tomado como expressão das posições de Bial. Bial não se responsabiliza pela atualidade da informação, por quaisquer erros, omissões ou imprecisões.