Anticoagulação em dose completa para prevenção de coágulos sanguíneos em doentes com COVID-19 suportada por ensaio clínico

Os doentes com COVID-19 correm um risco elevado de desenvolver coágulos sanguíneos potencialmente fatais, e este risco é particularmente elevado naqueles que requerem cuidados intensivos. O estudo COVID-PACT cujos resultados apresentados na ESC 2022 Barcelona, mostra que a dose completa de anticoagulação previne mais eficazmente as complicações trombóticas da COVID-19

Os múltiplos ensaios clínicos avaliaram o benefício de anticoagulantes e antiagregantes plaquetáriso em doentes com COVID-19; no entanto, os seus resultados têm variado e a estratégia ideal para prevenir coágulos sanguíneos, particularmente em doentes graves, foram inconclusivos. Em particular, enquanto um grande ensaio em doentes com COVID-19 mostrou um benefício convincente da anticoagulação em doses completas em doentes hospitalizados fora da unidade de cuidados intensivos (UCI), o mesmo benefício não foi observado nos doentes da UCI, além de se ter colocado a questão de danos potenciais.

O ensaio COVID-PACT avaliou se uma anticoagulação mais intensiva e/ou a utilização de antiagregação plaquetária previne a formação de trombos, com um perfil de segurança aceitável em doentes com COVID-19 grave. O COVID-PACT foi um ensaio 2×2 fatorial, aleatorizado e controlado em doentes com COVID-19 críticos conduzidos em 34 locais nos EUA. Os doentes que requerem cuidados a nível de UCI (invasivos ventilação mecânica, ventilação por pressão positiva não invasiva, cânula nasal de alto fluxo, ou vasopressores) foram aleatorizados para anticoagulação profilática em dose completa ou em dose padrão.

A utilização de heparina não fracionada (UFH) ou heparina de baixo peso molecular (LMWH) para qualquer dos regimes ficou ao critério dos médicos gestores. Nos doentes sem mais indicação para antiagregação plaquetária, houve uma aleatorização adicional para receber oclopidogrel ou nenhuma antiagregação plaquetária. Os doentes foram avaliados clinicamente e com ultrassonografia nas extremidades inferiores venosas 10 a 14 dias após a aleatorização e seguidos até à alta hospitalar ou durante 28 dias, que quer que tenha ocorrido primeiro.

O endpoint primário de eficácia foi a composição hierárquica da morte devida a trombose venosa ou arterial, embolia pulmonar, trombose venosa profunda clinicamente evidente (TVP), enfarte do miocárdio, acidente vascular cerebral isquémico, evento embólico sistémico ou isquemia aguda de membros, ou trombose venosa profunda clinicamente silenciosa, através de alta hospitalar ou 28 dias. As análises de eficácia primária incluíram uma análise do tempo para o primeiro evento durante o tratamento.

Um total de 390 doentes foram aleatorizados (390 para uma estratégia de anticoagulação e 292 para uma análise de estratégia antiplaquetária). Na análise da eficácia primária da anticoagulação, observou-se uma maior proporção de ganhos com a dose completa (12,3%) versus a dose padrão (6,4%; rácio de ganho 1,95, 95% de confiança intervalo [CI] 1,08-3,55, p=0,028). Os resultados foram consistentes na análise do tempo até à ocorrência dos eventos ([9,9%]) na dose completa versus 29 [15,2%] na dose padrão; HR 0,56, 95% CI 0,32-0,99, p=0,046).

O endpoint primário de segurança da hemorragia fatal ou potencialmente fatal ocorreu em quatro doentes (2,1%) em anticoagulação em dose completa e um doente (0,5%) em anticoagulação em dose padrão (p=0,19); todas estas hemorragias que colocam a vida e não houve eventos de hemorragia fatal. Não houve diferença de mortalidade por todas as causas entre grupos (HR 0,91, 95% CI 0,56-1,48, p=0,70).

Na análise antiplaquetária, não houve diferenças nos riscos de complicações trombóticas ou de hemorragias com risco de vida para os doentes tratados com clopidogrel em comparação com nenhum antiagregante plaquetário. O Dr. David Berg, do Brigham and Women’s Hospital, Harvard Medical School, EUA, referiu a propósito que a “segundo as recomendações de tratamento para COVDI-19, deve ser oferecida anticoagulação de dose completa para doentes hospitalizados fora dos cuidados intensivos e a dose padrão para quem está nos cuidados intensivos”.

A recomendação para doentes internados em UCI baseia-se, em grande parte, num ensaio que constatou que a dose completa da anticoagulação, em comparação com a dose padrão, não diminuiu o número de dias de vida sem necessidade de suporte de orgãos em doentes com COVID-19 crítica. O COVID-PACT mostrou que a dose completa de anticoagulação previne mais eficazmente as complicações de coagulação da COVID-19, que pode ser mais adequado para a terapia antitrombótica como intervenção preventiva, e é a base para recomendações de anticoagulação em doentes internados em UCI sem COVID-19”.

Patrocínio

Os dados, opiniões e conclusões expressos nesta publicação são da exclusiva responsabilidade do(s) seu(s) autores e não representam necessariamente os de Bial, não podendo, em caso algum, ser tomado como expressão das posições de Bial. Bial não se responsabiliza pela atualidade da informação, por quaisquer erros, omissões ou imprecisões.