Risco “muito raro” de miocardite e pericardite após vacinação contra COVID-19

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) concluiu hoje que o risco de miocardite e pericardite é “muito raro” após a vacinação contra a COVID-19, com as vacinas da Pfizer/BioNTech e Moderna (assentes na tecnologia do RNA mensageiro), confirmando os benefícios dos fármacos.

“O Comité de Avaliação do Risco em Farmacovigilância da EMA avaliou dados recentes sobre o risco conhecido de miocardite e pericardite após vacinação com as vacinas contra a COVID-19 Comirnaty [do consórcio farmacêutico Pfizer/BioNTech] e Spikevax [da Moderna]” tendo verificado que “o risco para ambas as condições é globalmente muito raro”, indica o regulador europeu em comunicado a que a agência Lusa teve acesso.

A EMA explica que a estrutura avaliou “dados recentes sobre o risco conhecido de miocardite e pericardite após vacinação” com estas vacinas baseadas no RNA mensageiro, tendo em conta “dois grandes estudos epidemiológicos europeus” com dados do sistema nacional de saúde francês e do registo nórdico.

O Comité de Avaliação do Risco em Farmacovigilância concluiu que “até uma em cada 10.000 pessoas vacinadas pode ser afetada” por estas condições inflamatórias do coração, que apresentam sintomas como falta de ar, batimentos cardíacos irregulares e dores no peito.

“Além disso, os dados mostram que o risco acrescido de miocardite após a vacinação é mais elevado nos homens mais jovens”, assinala a EMA na nota à imprensa, assinalando que o risco de miocardite e pericardite já consta na informação do produto para estas duas vacinas.

Apesar de estas reações serem muito raras, “podem desenvolver-se apenas alguns dias após a vacinação e ocorreram principalmente no prazo de 14 dias […] com maior frequência após a segunda vacinação”.

CDC estuda risco de inflamação cardíaca após vacinação contra a COVID-19

Um painel de especialistas dos Centros de Controlo e Prevenção das Doenças (CDC) dos Estados Unidos da América vai avaliar os 323 casos de inflamação do músculo cardíaco (miocardite) ou da membrana que o rodeia (pericardite) em pessoas com menos de 30 anos que foram imunizadas com as vacinas da Pfizer-BioNtech ou da Moderna – isto em mais de 310 milhões de doses administradas até agora nos EUA.

De acordo com a informação divulgada por aquele organismo, há registo de inflamações no coração, ainda que raras, em adolescentes e jovens adultos que receberam os fármacos desenvolvidos pela Pfizer (em parceria com a BioNTech) e pela Moderna, duas vacinas centralizadas no método RNA (ácido ribonucleico).

“Os casos são raros e a grande maioria [das ocorrências de inflamações no coração] foi solucionada com descanso e atenção”, disse a diretora do CDC, Rochelle Walensky.

O relatório detalhado sobre os casos de miocardite e pericardite é apresentado amanhã, dia 25 de junho.

Patrocínio

Os dados, opiniões e conclusões expressos nesta publicação são da exclusiva responsabilidade do(s) seu(s) autores e não representam necessariamente os de Bial, não podendo, em caso algum, ser tomado como expressão das posições de Bial. Bial não se responsabiliza pela atualidade da informação, por quaisquer erros, omissões ou imprecisões.