Atualidade

Tecnologia: pessoas com diabetes podem melhorar perceção de risco de dcv

No Dia Mundial do Coração, que se assinala a 29 de setembro, a Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP) lembra que as tecnologias de saúde podem ajudar a melhorar a perceção das pessoas com diabetes sobre os riscos das doenças cardiovasculares (dcv), referindo que esses riscos duplicam em pessoas com diabetes mellitus, em comparação à população não diabética.

Por esse motivo, a APDP junta-se à World Heart Federation que, este ano, celebra o Dia Mundial do Coração com a campanha #UseHeartToConnect. O objetivo é incentivar as pessoas com dcv a conectarem-se e monitorizar a sua saúde cardiovascular, recorrendo à tecnologia.

“A doença cardiovascular é responsável por uma redução significativa, quer na qualidade de vida, quer na esperança de vida. Nunca é demais frisar a importância do investimento no controlo dos fatores de risco cardiovascular. Para que isso aconteça de forma mais sistemática, precisamos de melhorar o acesso das pessoas ao conhecimento e à perceção do risco”, defende o cardiologista da APDP, Pedro Matos, realçando a importância das tecnologias de saúde.

“É preciso aproveitar o poder da saúde digital para colmatar a discrepância entre o conhecimento científico e a realidade quotidiana, melhorar o controlo das doenças e a adesão à terapêutica na expectativa de que, no futuro, haja um impacto significativo na redução dos eventos cardiovasculares”, justifica.

Na mesma linha, o presidente da APDP José Manuel Boavida lembra que “a diabetes é um fator de risco” para as dcv (enfarte agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca, entre outras) e é, também, “a sua principal consequência e causa de morte”. Acrescenta que a maioria dos adultos com diabetes tipo 2 “tem alto ou muito alto risco” de desenvolver uma doença cardiovascular, “principalmente a partir da meia-idade”. Em média, “a diabetes tipo 2 dobra o risco” de dcv e reduz a esperança de vida “em quatro a seis anos”.

A doença cardiovascular continua a ser causa de morte número um no mundo, resultando em 18,6 milhões de óbitos por ano.

Patrocínio

Os dados, opiniões e conclusões expressos nesta publicação são da exclusiva responsabilidade do(s) seu(s) autores e não representam necessariamente os de Bial, não podendo, em caso algum, ser tomado como expressão das posições de Bial. Bial não se responsabiliza pela atualidade da informação, por quaisquer erros, omissões ou imprecisões.